Teste Honda CB300R - Adrenalina desportiva - ONDAVIS
539
post-template-default,single,single-post,postid-539,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,footer_responsive_adv,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-16.4,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.5,vc_responsive

Teste Honda CB300R – Adrenalina desportiva

Teste Honda CB300R – Adrenalina desportiva

A nova CB300R veio responder às preferências desportivas dos novos condutores portadores de carta A2. Uma “naked” que inspira confiança e promete muita adrenalina.

 

Quando a vi a Honda CB300R pela primeira vez não esperava algo assim. A sua imagem transpira as linhas desportivas clássicas que a Honda está a introduzir no seu estilo “Neo Sports Cafe”.

De uma forma despida, esta “naked”, que veio substituir no mercado de 2019 a veterana CB300F, foi pensada para uma condução prática, económica e segura.

Com um motor de 286cc de refrigeração por líquido e uma caixa de seis velocidades, esta é uma das muitas opções disponíveis no mercado para os jovens condutores portadores de carta A2, e não só!

Uma característica pouco esperada mas positiva na CB300R é o peso equilibrado de 143Kg, que nada deixa a desejar.

O painel de instrumentos bem concebido, que permite uma boa visualização das informações de condução durante a noite e também durante o dia, é bastante completo. Algo que notei útil neste painel de instrumentos, é o sinalizador de optimização de binário, ou seja, uma luz branca presente na parte superior do painel, que pisca em intervalos regulares para informar o momento oportuno para trocar de mudança e assim reduzir o consumo de combustível.

As palavras Let’s Ride, apresentadas no painel, quando é ligada a ignição, dão um ar de desafio, e a Honda consegue surpreender pela resposta rápida ao acelerador  e uma caixa de velocidades leve e bastante bem escalonada.

Na CB300R contamos ainda com outros elementos importantes e diferenciadores que mostram a atualidade deste modelo, como o farol de LED, extra-fino, que emite uma luz branca intensa, as jantes de liga leve, o braço oscilante de espessura variável e ainda uma forquilha Showa de ultima geração.

A ciclística convence ainda em diversos aspectos: o baixo centro de gravidade é o resultado de um trabalho de mérito que centraliza as massas e as reparte pela moto numa proporção de 49,6% na roda dianteira e 50,4% na roda traseira o que proporciona uma sensação de elevada estabilidade e de fácil condução.

A travagem, composta por um disco flutuante na frente de 296mm e um disco traseiro de 220mm confere segurança, sendo assistida por um ABS cujo modulador está ligado a uma unidade de medição de inércia (IMU – Inertial Measurement Unit‎) de duas vias, ou seja, a actuar em ambos os eixos. A IMU faz 100 leituras por segundo, e calcula a travagem simultânea de ambas as rodas, de forma a impedir que a traseira descole do solo, maximizando a travagem e a própria estabilidade da moto.

Por isso responde aos parâmetros necessários para uma condução urbana segura.
Os pneus têm medidas 110/70R17 e 150/60R17 respetivamente na frente e atrás que conferem um aspeto robusto a CB300R.

Já a sua ergonomia, proporciona uma condução confortável, com o guiador colocado numa posição que não causa cansaço nos braços, sendo também fácil de manobrar.

A posição dos poisa-pés, dá um ar desportivo à condução, mas permite ao motociclista manter uma posição erecta das costas. No entanto há que referir o desconforto do assento, que embora pareça ter as medidas certas, é rijo e torna-se bastante desconfortável passados alguns quilómetros. No entanto, o facto de ser estreito proporciona que apesar de uma altura de 799mm se torne fácil chegar com os pés ao chão.

O som emitido pelo escape, desenhado e posicionado especificamente para potenciar a experiência de condução, assim como o trabalhar do ralenti, parece provir de uma moto com uma cilindrada maior e potencia uma elevada sensação de velocidade.

A autonomia surpreende pois o deposito de 10 litros, aliado a um consumo médio de 3,5l/100km, dá para aproximadamente 300Km.

Os comandos dos punhos são de fácil acesso e os espelhos, que normalmente são o pecado das motos de estilo “naked” mostram um design que se enquadra na perfeição na estrutura da CB300R, proporcionando simultaneamente uma boa visibilidade da retaguarda.

Por tudo isto, a CB300R é uma das muitas boas escolhas do mercado das motos, garantindo a segurança essencial a uma condução diária, num ambiente urbano.

Caso não possa ainda conduzir uma moto com tanta cilindrada, ou queira começar por uma moto mais leve e com menos potência, leia o nosso Teste Honda CB125R – Mais do que uma 125cc.

A CB300R já está disponível nos concessionários Honda, em quatro cores: Vermelho (Candy Chromosphere Red), Prata (Mat Cryption Silver Metallic), Preto e Cinza (Matt Axis Grey Metallic), por um preço de 5.100€ (iva incluído)

Fonte: andardemoto.pt


Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close